Quando o esporte, com o tempo vira arte: 5 belas arquiteturas em estádios de futebol

Quando o esporte, com o tempo vira arte: 5 belas arquiteturas em estádios de futebol

Like
1266
0
sexta-feira, 01 dezembro 2017
Futebol Internacional

Num tempo onde as “arenas” ainda se chamavam estádios, talvez as intenções do homem que desenhou um recinto esportivo a quase um século atrás eram vários, menos ser reconhecido como um grande nome da arquitetura mundial. Mas o tempo passa e o que perdura na memória do entusiasta do esporte são os traços daquele estádio em que ele pisou quando era pequeno.

Não faltam histórias de quem pisou no Maracanã ainda na época da geral em seus corredores internos, que não davam a noção do tamanho do gigante ao fim do túnel. Entrar no Mário Filho pelas entradas antigas antes das grandes reformas para a Copa de 14 causava um choque a quem pisava nas arquibancadas e via aquele gramado gigante, de dimensões maiores ainda quando se tratava das acomodações de quem ia para torcer geralmente em pé. Hoje, a suntuosidade se vê desde a entrada, e o choque inicial já se dá pelas portas, antes mesmo de visualizar o palco principal.

Falando sobre isso, entendemos que as grandes arquiteturas do Ninho do Pássaro (que nem é tão usado para o futebol) ou da Allianz Arena não são necessariamente o mais importante para quem está lá pelo esporte. E o cenário se desenvolve aos poucos, ao longo dos anos, dando história aos paredões com tinta descascada e infiltrações bem maiores que estádios modernos que já nascem tentando ser os maiores, mas que ainda carecem de histórias marcantes para dar o ar de palco maior de uma história brilhante envolvendo o esporte.

Em resumo, um prédio com arquitetura futurista e conceitual é sempre mais notado em relação a um de arquitetura brutalista nos dias de hoje. Isso, categoricamente podemos dizer que não se aplica a estádios de futebol. Definitivamente, falta muita cancha para qualquer “obra de arte” moderna alcançar a brutalidade da Bombonera.

 

5 Grandes estádios no Brasil e no mundo

As margens do Rio Tâmisa, em 1886 era levantado o Craven Cottage, que desde então recebe os jogos do Fulham na Inglaterra. E mesmo nos dias de hoje, podemos perceber neste simples estádio (em comparação aos mais conhecidos da Europa) seu charme vindo direto do século XIX. Sem mudanças gritantes desde os seus primórdios, o Craven Cottage é visto por muitos como um dos mais belos e funcionais estádios da Inglaterra até os dias de hoje, recebendo inclusive jogos de grandes seleções mundiais.

O Craven Cottage e todo seu charme. Foto: stadiumguide.com

 

Saltando de continente, viajamos direto para São Paulo cultuar o Pacaembu. Vivendo momentos de incerteza após a construção das arenas, o estádio Paulo Machado de Carvalho jamais perdeu seu charme. Encravado nas colinas do bairro que lhe empresta o nome e usando as mesmas para dar a base as suas arquibancadas, o campo é símbolo do futebol paulistano e de grandes conquistas de todos os clubes que ali pisaram um dia. Pouco modificado desde sua construção na década de 1940 (a concha acústica foi demolida), o estádio ainda chama a atenção de quem passa diante de sua fachada.

Lindo como o Coliseu. Foto: Flickr/Paula Marina Castro

 

Andando até o Caminito em Buenos Aires, é impossível não observar de longe a estrutura azul e ouro ao fundo. Alto, suntuoso e brutalista, o Estádio Alberto José Armando ou simplesmente “Bombonera” é um dos mais famosos do mundo. Palco de desgraças da mais vasta gama de adversários do Boca Juniors, o estádio treme a cada ataque do time da casa. Construído por etapas durante os anos, é fácil identificar um jogo no estádio com suas arquibancadas quase sobre o campo e suas acomodações igualmente apertadas e fantásticas.

A Bombonera, cercado pelo bairro de La Boca. Foto: thebubble.com

 

O Rampla Juniors é um time pequeno, porém querido e tradicional do Uruguai. Muitos podem se perguntar como pode ser citado num artigo onde a base para o tema é a arquitetura um estádio tão acanhado, de bancadas de madeira e muros de alvenaria simples em seus limites de campo. Não importa nada disso quando a sensibilidade dos responsáveis por levantar o Estádio Olímpico de Montevideo fazem isso de frente para o Rio da Prata, utilizando este como um dos cenários mais belos para uma partida de futebol no mundo todo.

É comum a bola parar no rio… Mas o ambiente é simplesmente maravilhoso. Foto: elascenso.com

 

Mas para não dizer que somos saudosistas, vamos falar de um estádio mais moderno também. Porém, não é sua tendência de arena que o coloca neste posto, mas sim a sensibilidade do arquiteto português Eduardo Souto Moura em utilizar um enorme paredão rochoso chamado de Monte Castro em Braga para criar o cenário para o campo de futebol. Moderno mas sem deixar de ser clássico, o estádio português tem arquibancadas apenas nas laterais e é assim como Olímpico de Montevideo, um exemplo claro de como usar a natureza como pano de fundo para grandes obras que o homem faz.

 

O estádio da Pedreira é o mais novo da lista, mas já tem sua história. Foto: A Nossa Liga (ebsas10g1415g4.wordpress.com)

 

Falamos aqui em maioria do que é considerado simples, ou até ultrapassado por maldosos. Mas tudo o que está aqui é história. E embora o estádio de Braga seja o mais novo da lista, foi um daqueles que serviu para os jogos da Euro 2004, que coroou a Grécia como campeã sobre os portugueses. E se é de histórias que se constroem os grandes feitos esportivos, lembrar o antigo e vangloriar quem ainda tem muita lenha pra queimar é o caminho certo para darmos o valor devido que tudo isso merece.

 

Foto de destaque: Flickr/Paula Marina Castro

 

Redator: Danilo Dias, de São Paulo.

Danilo Dias

Danilo Dias é formado em Tecnologia em Futebol, pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte e atualmente é estudante de Direito. Apaixonado por futebol, aficionado por automobilismo[...]

76 posts | 0 comments

Menu Title