No Pan, sinal amarelo para a Seleção Brasileira Masculina de Vôlei

No Pan, sinal amarelo para a Seleção Brasileira Masculina de Vôlei

Like
392
0
segunda-feira, 05 agosto 2019
Seleção Brasileira Masculina

A participação da Seleção Brasileira Masculina de Vôlei no jogos Pan-americanos de Lima 2019, levanta questões importantes e é claro, aciona o sinal amarelo. A equipe foi comandada por Marcelo Fronkowiak, auxiliar técnico da seleção principal.

Por: Rogério Costa, Coluna Jornada do Vôlei, de São Bernardo do Campo, SP.

Levantando questões

Fronkowiak convocou destaques da ultima superliga como levantador como Carísio, líbero Rogério, que para mim é um dos destaques,  o central Mateus Pinta, o ponteiro Honorato, o oposto Abouba, o outro oposto Roque e além do ponteiro Lucas Loh. Além disso, convocou também jogadores com experiência como ponteiro Kadu, levantador Thiaguinho e o central Éder. Definitivamente, uma seleção no muito boa, porém, no papel.

A questão é: “Qual a importância da participação do vôlei masculino nos Jogos Pan-americanos?” Dizem os especialistas e membros da comissão técnica que serve como laboratório para seleção principal. Será?

Primeiramente foram convocados jogadores que nós da crônica esportiva gostaríamos que fossem convocados. Entretanto, foram bem preparados para disputa dos jogos? Tivemos uma programação para preparar essa seleção? Podemos ainda viver de talentos individuais para vencer? São diversas questões!

Definitivamente, para todas as questões, a resposta é não! Fronkowiak não teve a oportunidade de treinar, fazer amistosos para melhor avaliar o time, melhorar posicionamentos e corrigir erros. Enfim, realizar uma preparação adequada para que essa seleção vencesse os jogos.

Perder faz parte! Lembramos que em Santo Domingos, perdemos com a melhor seleção de todos os tempos. Derrota para uma inspirada Venezuela. De fato, foi uma derrota dolorosa! A Seleção Brasileira Masculina de Vôlei conquistou o bronze. Porém, naquela ocasião, não foi por falta de preparação. Pelo contrário, na ocasião era o dia da Venezuela e não era o dia do Brasil.

Mas dói mais participar de uma competição tão importante como os jogos pan-americanos e sem a preparação adequada. É bem verdade, que mesmo com todos os problemas e sem uma apresentação de encher os olhos, o Brasil conquistou uma medalha de bronze.

Sinal amarelo

Fazendo uma avaliação fria, a participação do brasil foi sofrível. Ver como o time não apresentou um voleibol consistente, com dificuldades contra o México, Chile (uma equipe com uma garra fora do comum) e Estados Unidos. Por muito pouco,  o Brasil não ficou de fora da primeira fase.

Um alerta aos organizadores brasileiros. O Brasil não pode participar de campeonatos achando que já está ganho. Perder uma semifinal para Cuba que não deixou a nossa seleção ver a bola, de fato foi preocupante. Não tirando os méritos da seleção cubana que tem muita tradição e história no vôlei mundial.

Entretanto, fica a lição! A Seleção Brasileira Masculina de Vôlei não pode ingressar em competições internacionais sem a preparação adequada. É bem verdade que o calendário de competições internacionais nesse ano está surreal. Mas um planejamento melhor, para driblar esses obstáculos, se faz necessário. De fato, não foi bacana assistir um time tão bom e tão cheio de talentos, numa situação tão complicada como foi nesses jogos do Pan.

Confira também
Coluna Por Dentro do Vôlei: Hevaldo, aos 40 anos, exemplo do vôlei de praia
Vôlei masculino: Confira a entrevista com o assistente técnico do Sada Cruzeiro Vôlei Beto Martelete

Foto em destaque: Lima 2019 / Divulgação / Twitter

Comments are closed.