Morte de Anthoine Hubert e as vitórias brasileiras nas pistas mundo afora

Morte de Anthoine Hubert e as vitórias brasileiras nas pistas mundo afora

Like
644
0
quarta-feira, 04 setembro 2019
Automobilismo

Dando continuidade a coluna “Planeta Velocidade”, aqui na Rádio Poliesportiva, viemos dar um panorama geral do esporte a motor, com curiosidades e opiniões de quem tem velocidade nas veias, e contamos com a sua também. Mas esse dia que era pra ser de comemoração fica comprometido pela tragédia na F2, que não podemos deixar de mencionar. Assim, na primeira corrida da categoria de acesso à F1, em Spa-Francorchamps, o francês Anthoine Hubert perdeu a vida em um grave acidente na segunda volta, como vocês devem estar cientes.

Mas FIA já iniciou as investigações. Dessa forma, esperamos que ela seja para elucidar os fatos e garantir que esse tipo de tragédia não aconteça novamente. Não tem que buscar culpados, já que após ver inúmeras vezes as imagens, podemos dizer que essa morte não foi culpa da pista ser muito rápida (uma das melhores do mundo para corrida). Não foi culpa de Giuliano Alesi que rodou na saída da Raidillon (coisa que até campeão do mundo já fez). Não foi culpa de Hubert que desviou e bateu na proteção de pneu e parou na área de escape. E não foi culpa de Juan Manuel Correa que foi por fora do traçado para não bater em Alesi e acertou o carro de Anthoine. Foi uma conjunção infeliz de fatores que devem ser vistos e tratados da melhor forma. Aqui deixamos nossos sentimentos aos que ficam. Agora vamos falar “di currida“:

Copa Truck

Aconteceu a final da Copa Truck, da corrida de caminhões em Rivera, no Uruguai. E não teve ninguém para segurar Beto Monteiro, que ganhou as duas provas da etapa, assegurando mais um título de copas e com vaga garantida na final. Parece que a mudança dele da Iveco para a Volkswagen foi perfeita. Por outro lado, Felipe Giaffone, que fez o caminho inverso, terá que trabalhar muito para voltar a forma de 2017, quando foi campeão.

WEC (Mundial de Endurance da FIA)

Teve também a abertura da super temporada 2019-2020 com as 4 horas de Silverstone. Porém, nenhuma surpresa. Toyota dominou sua categoria (LMP1) e a geral com seus dois carros, com o brasileiro Pipo Derani num ótimo 3º lugar. Bruno Senna foi 5º. Mas a Toyota tem como maior problema controlar seus pilotos. Sebastian Buemi, Kazuki Nakajima, Brendon Hartley, Mike Conway, Kamui Kobayashi e José Maria Lopez, não são o exemplo de tranquilidade. Não estranharia se os dois carros da montadora nipônica se estranhassem na pista e deixasse a vitória de bandeja para a Rebellion. Por outro lado, na LMP2, teve André Negrão chegando em 2º, numa boa atuação para manter seu título. Felipe Fraga não teve tanta sorte e chegou em 10° na categoria GTE-AM.

 

Indy

Na penúltima prova do ano, Scott Dixon deixou a briga pelo título devido a um problema de câmbio que lhe arrancou uma vitória certa. Entretanto, pena só para o neozelandês. A vitória do GP de Portland caiu no colo de Will Power, que não a mereceu. Em contraponto, Newgarden segue líder com o regulamento embaixo do braço, mas qualquer tropeço pode ser fatal, pois a última prova tem pontos dobrados. 41 pontos atrás vem Alexander Rossi, que parece estar perdendo fôlego nessa reta final, e Simon Pagenaud que só está aí pelo ótimo desempenho em Indianápolis, pois sua temporada no geral foi sofrível para quem está na melhor equipe, assim como Power.

Nascar Xfinity e Monster Cup

Xfinity

A prova comemorativa do dia do trabalho americano, em Darlington, das duas principais categorias da Nascar, nos brindando com pinturas retrô, algo que já é tradição. Assim, na Xfinity (2° principal categoria), a corrida no sábado teve a presença de Dale Earnhardt Jr, duas semanas após um acidente aéreo. Porém, na prova, quem ganhou não levou. Denny Hamlin partiu de último para 1º lugar com o Toyota Supra #18 da Joe Gibbs. Mas o carro falhou na inspeção após a corrida, deixando a vitória para o Mustang #00 de Cole Custer.

Monster Cup

Já na principal categoria, a Monster Cup, a chuva atrasou o início da corrida por mais de três horas. Mas valeu a pena para ver mais um piloto diferente vencer corrida. Erik Jones, com o Toyota Camry #20, da equipe Joe Gibbs (a mesma da Xfinity), se tornou o 10° piloto diferente a vencer esse ano e garantiu sua vaga nas finais do campeonato. E, sim, ele passou na inspeção. Quem também teve motivo para comemorar foi o companheiro de equipe Kyle Busch, que garantiu com uma etapa de antecedência o “título do campeonato regular” por pontos. Isso significa uma vantagem adicional de 15 pontos nos playoffs.

Fórmula 1

Mesmo com o clima pesado, os pilotos foram com tudo para a primeira etapa pós-férias. Uns até demais. Max Verstappen largou mal novamente e, diferente das outras vezes em que isso se converteu em vitória, o holandês fez lambança ao tentar recuperar terreno na primeira curva. Com isso, o piloto da Red Bull acabou acertando Kimi Raikkonen, que quase capotou, mas seguiu em frente. Assim como Max, mas parou no muro da Eau Rouge, após atrapalhar Daniel Ricciardo, que teve que frear e foi acertado por Lance Stroll.

O lado bom foi a primeira vitória de Charles Leclerc – o 108° da história da categoria – que segurou Lewis Hamilton. Também a grande atuação de Lando Norris, “melhor do resto” sempre em 5º até a abertura da última volta, quando foi traído pelo motor. Um golpe duro para quem quase não correu por causa de uma lesão no pé e fez o que fez. Quem também quase não correu foi Raikkonen, por um problema nas costas. Palavras do finlandês: “É mais seguro beber do que praticar esporte. Bebida só dá ressaca”.

Quem também se destacou foi Albon, em sua estreia pela Red Bull, largando de 17° para chegar em 5º. É cedo para dizer se a equipe acertou na mudança, mas o tailandês está fazendo a parte dele, mais que Gasly. Um último susto foi a batida de Antonio Giovinazzi na penúltima volta, mas felizmente o piloto está bem.

Brasileiros pelo mundo

Além do 3º lugar de Derani, teve também o 5º de Bruno Senna na LMP1 do WEC. Vitória de ponta a ponta de Pedro Piquet na Fórmula 3 mundial. Além dos ótimos resultados de Enzo Fittipaldi e Igor Fraga na Fórmula 3 regional (com vitórias). Gianluca Petecof na F4 italiana se solidificou na vice-liderança. Também o 8° lugar de Matheus Leist na Indy, Tony Kanaan em 12°, tendo se não o pior, um dos piores carros da Indy junto à Carlin. O menino automobilismo brasileiro ainda respira no cenário internacional.

 

Esperamos a sua companhia na próxima quarta, com mais notícias e curiosidades que fazem nosso Planeta Velocidade girar! Mais informações, acesse nosso site www.planetavelicidade.com.br

Comments are closed.