Exclusivo: Gilberto Bello fala da temporada do vôlei masculino do Tijuca/Zinzane

Exclusivo: Gilberto Bello fala da temporada do vôlei masculino do Tijuca/Zinzane

1
215
0
quarta-feira, 21 outubro 2020
Vôlei

Nesta quarta-feira (21) tem início o Campeonato Carioca de Vôlei Masculino 2020. O torneio será feito por quatro equipes, sendo que três delas disputarão a Superliga C. Dessa maneira, teremos uma mostra do que pode acontecer na competição nacional. O Tijuca TC, que não participou da última edição, jogará com o nome de Tijuca/Zinzane. A Rádio Poliesportiva conversou sobre a formação da equipe e as expectativas para temporada com o técnico da equipe, Gilberto Bello

Por Yuri Murta, Rio de Janeiro – RJ

Assim como o basquete e a equipe feminina, o vôlei masculino do Tijuca Tênis Clube está de volta a Campeonato Estadual. Por certo, a formação do elenco visa principalmente a Superliga C que ocorrerá uma semana depois do fim do torneio carioca. Durante o estadual, a equipe enfrentará o Flamengo, o Niterói Basquete e o Fera/Campos. Ademais, os dois últimos serão rivais também no torneio nacional. A equipe atuará com o nome de Tijuca/Zinzane devido ao patrocínio Master que dado pela loja.

Diferentemente das outras duas equipes do clube, o vôlei masculino possui dois troféus do Carioca Adulto em sua história. O primeiro ocorreu em 1932 na oitava edição do estadual. Posteriormente, o segundo aconteceu 71 anos depois. Em 2003, o Tijuca se sagrou bicampeão estadual de Vôlei Masculino. No entanto, só o segundo foi em torneio da FEVERJ.

Apesar de um 2019 discreto, o Tijuca vislumbra a chance de 2020 ser uma das temporadas mais marcantes da sua história. Isso ocorre, uma vez que, a equipe reune jovens talentos e jogadores experientes, que estavam em grandes clubes como Sesc-RJ. Dessa forma, a equipe é uma das postulantes ao título do Carioca. Em seguida, confira como está o time e a entrevista com o técnico Gilberto Bello:

ELENCO DO TIJUCA/ZINZANE

Assim como foi dito acima, a reformulação do elenco do Tijuca/Zinzane para o ano de 2020 foi feita pensando na vaga para a Superliga B. Dessa maneira, o projeto gira em torno de fazer uma participação na Superliga C, que acontece no início de novembro. Por certo, tal conquista representaria um passo crucial para a solidificação do processo.

O Tijuca/Zinzane recebeu três integrantes vindos diretamente do corpo técnico do Sesc-RJ para colaborar em todas as áreas. Essas adições ao elenco mostram que o clube desenhou um projeto com o intuito de vôos maiores a medio e longo prazo.

O elenco tem a disposição 17 atletas. De fato, 10 desses estavam no clube ou já passaram pela equipe tijucana na sua carreira. Por exemplo, o ponteiro Vinicius dos Santos, que estava na Bielorussia e tem passagens em Sesc-RJ, Maringá, Cruzeiro e Taubaté, foi formado na base do clube. Outro nome cria da base e que retorna é Silvio Satiro, que estava no Vôlei Guarulhos.

Dentre os outros sete atletas que nunca vestiram o uniforme vermelho e branco, existem dois tipos de contratação, são elas, jogadores que estavam em times do estado e outros de primeiro escalação do vôlei nacional. Só para exemplificar o primeiro grupo, Ramon Bezerra, ex-Botafogo, e Lucas Henrique, ex-Campos, chegaram ao clube.

Dentro do segundo grupo temos os principais nomes que chegaram. O levantador Everaldo Lucena, ex-Sesc-RJ e Maringá, o libero Lukinhas, ex-Sada Cruzeiro, o central Marcão, ex-Sesc, e ponteiro Ricardo Junior, ex-Blumenau, são nomes que mostram o nível que o Tijuca/Zinzane quer atingir na temporada.

ENTREVISTA COM GILBERTO BELLO

FORMAÇÃO DA EQUIPE

Como foi formado o elenco do Tijuca? 

O Tijuca tem um convênio, com a Universidade Celso Lisboa, onde alguns atletas formados no clube, ganham bolsa de estudos na instituição para participarem dos jogos universitários brasileiros. Desta forma, continuam em atividade, mesmo após se tornarem adultos e não encontrarem mercado no vôlei brasileiro. Continuam jogando o estadual pelo Tijuca e treinando no clube. Ano passado, participamos da Superliga C, uma vez que, o campeonato foi custeado em sua grande parte pelo Comitê Brasileiro de Clubes, (CBC). Organização cujo o Tijuca é filiado e participa dos editais.

Este ano, após um namoro com o extinto projeto do vôlei masculino do Sesc-RJ, surgiu esta parceria para um projeto de conquista da Superliga C, e por conseguinte, a obtenção de uma vaga para a disputa da próxima temporada da Superliga B. O clube está tentando abrir portas, e conquistar apoio e patrocinadores. Atletas experientes, com passagens no Sesc RJ foram contratados e somaram-se aos adultos existentes no clube e aos jovens talentos da base para formarem a atual equipe.”

PREPARAÇÃO PARA A TEMPORADA

Como se preparar para torneios de tiro tão rápido?

Está sendo um desafio, colocar estes atletas no mesmo nível físico, técnico e de conjunto em tão pouco tempo de treinamento. Ainda mais com um retorno gradual devido a pandemia. O grupo está muito heterogêneo, em termos físicos, e temos somente sete semanas de preparação e competição. Pois dentro deste período, teremos o estadual, que dura uma semana, e a Superliga C , que também dura uma semana. A comissão está tendo muita atenção à resposta dos atletas, dependeremos muito do lastro físico dos mesmos e de suas experiências anteriores em competições deste nível. Tentamos aliar esta experiência com a juventude dos atletas da casa.” 

Como é para o Tijuca retornar ao estadual depois de um ano longe?

É uma alegria podermos retornar, em parte, a nossas rotinas esportivas. Sabemos que a pandemia afetou a vida de todos e dificultou muito para quem vive do condicionamento de seu organismo. A volta nos da motivação mental para vencer a doença e acreditamos que estamos ajudando a todos aqueles que adoram e torcem pelo voleibol brasileiro, e estiveram privados de boa parte de suas vidas, neste momento de crise.”

EXPECTATIVAS PARA A COMPETIÇÃO

Como você enxerga a saída de alguns times do torneio?

Acho que no estadual, as equipes que normalmente participam e não estão este ano, são Fluminense e Botafogo. Normalmente temos quatro equipes, que são estas duas, mais Tijuca e Flamengo. Então, com Niteroi e Campos, teríamos seis equipes. O que seria muito bom para o vôlei do Rio. Com a não participação destas duas equipes (Fluminense e Botafogo), perdemos uma oportunidade de encorpar a competição e aumentar a visibilidade.

O que esperar da equipe do Tijuca no Estadual?

O Tijuca tem mais de 100 anos de existência e tem sido um formador de atletas , tanto no vôlei como em outras modalidades. Um fator que falta neste desenvolvimento é o espelho de atletas profissionais para completar esta formação de base. Com este projeto, esperamos consolidar uma equipe profissional que sirva de base para os jovens atletas do clube, onde eles possam evoluir suas performances e serem aproveitados como profissionais promissores que são. Para que isto seja possível, é necessário um bom resultado nas competições que participaremos. O estadual é uma das duas que teremos, portanto, é importante que tenhamos um bom desempenho, independente dos adversários. Temos que jogar, atingir nosso máximo e verificar em que nível estamos.”

DE OLHO NA SUPERLIGA C

O Estadual servirá de preparação para a Superliga C? Quais são as expectativas do time para essa curta temporada?

Vamos utilizar o estadual como competição teste para nosso objetivo, que é conquistar a vaga na Superliga B. Como as duas competições estão separadas, por apenas uma semana, já teremos uma prévia do que encontraremos e o planejamento não se altera.”

Dessa forma, o que esperar da equipe do Tijuca no torneio?

Estamos em busca da vaga (Superliga B) e todo o trabalho está sendo feito com este objetivo. Sempre tendo em mente que temos metas maiores. A instabilidade do momento de pandemia é um dos ingredientes da preparação que não podemos controlar. Mas ela acontece para todas as equipes, portanto, prevemos um campeonato equilibrado com detalhes pendendo para um lado ou para o outro.”

OUTROS FATORES PARA A TEMPORADA 2020

Como é voltar a normalidade dos treinos e jogos neste periodo de pandemia?

Existe uma dificuldade logística, pois precisamos seguir todos os protocolos baixados pelas autoridades competentes. Desde a volta, seguimos as fases de retorno da prefeitura com suas regras de ouro Adotamos, também , as orientações do COB, da CBV, e da FVRIO. Mas, o prazer de estar de volta aos treinos é maior do que a dificuldade com a segurança, que neste momento, é prioridade.”

Como tem sido a preparação física e o psicológico para um temporada que, de fato, talvez seja uma das mais importantes pro vôlei masculino do Tijuca no século?

Estamos encarando como uma oportunidade única. Trabalho no clube, com o voleibol de base e adulto desde 1994. É a primeira vez que vamos para uma competição deste porte com chances reais de vitória e mais importante, com o apoio dos profissionais que estão acostumados a gerenciar projetos de alto nível, como o do Sesc-Rj, que foi tão vitorioso. De qualquer forma, estamos ganhando experiências muito importantes e captando parcerias preciosas. O projeto já é campeão.”

Foto Destaque: Arquivo/Tijuca TC

Yuri Murta

Yuri Murta

Estudante de jornalismo e geografia, apaixonado por esportes no geral e por tudo que o cerca. Isso define quem é Yuri Lima Murta. O amor principalmente pelo basquete e futebol vem desde pequeno e o g[...]

63 posts | 0 comments

Comments are closed.