Caso Deja McClendon no Minas criou clima de comoção e constrangimento no vôlei brasileiro

Caso Deja McClendon no Minas criou clima de comoção e constrangimento no vôlei brasileiro

Like
1141
0
quarta-feira, 22 janeiro 2020
Superliga Feminina

A dispensa da americana Deja McClendon acendeu a luz amarela para um erro por parte dos dirigentes do Minas, que talvez não souberam lidar com o caso. Contudo, essa situação deixou torcedores e amantes do vôlei, tristes. Especialmente pelo o trato com a ‘Didi’, carinhosamente chamada pela torcida.

Por: Artur de Figueiredo, Mogi das Cruzes, SP.

A transição entre as temporadas passada e a atual

A temporada 2019/20 da Superliga Feminina detém números expressivos e uma soberania nacional de outrora com uma das equipes mais tradicionais do vôlei brasileiro, a equipe do Minas Tênis. Com a supremacia no último ano, as conquistas de Lavarini e cia, fizeram do clube mineiro o time a ser batido na atual temporada.

Entretanto, com as perdas das selecionáveis Natália e Gabi, além do respeitado técnico italiano, o citado Stefano Lavarini, vieram as cobranças pela substituição a altura. Fato que não passou perto do esperado. Ao contrário do que se viu, a diretoria minastenista não só errou como trocou os pés pelas mãos. Com o nível de cobrança altíssimo, chegaram duas estrangeiras. A americana Deja McClandon e a venezuelana Roslandy Acosta. Além disso, o compatriota do ex treinador do tradicional clube brasileiro, Nicola Negro.

Com tantas mudanças e perdas tão impactantes, especialmente, no equilíbrio da equipe, nas viradas de bola, as expectativas mudaram, não pela falta de qualidade das que chegaram mas sim, o nível das jogadoras que perderam. Natália e Gabi são peças no vôlei nacional.  De fato, elas são praticamente, insubstituíveis. Acosta e Deja estão longe de carregarem o peso da culpa. Porém, houve decisões precipitadas dos dirigentes mineiros.

Superliga Feminina de Vôlei 2019 - 2020 - 7ª Rodada - São Paulo Barueri X Itambé Minas

Foto: Paulo Arnaldo / Poliesportiva

Com os resultados e a irregularidade da equipe em algumas partidas, o Minas foi severamente testado. De fato, caiu o passe, o volume de jogo, o equilíbrio. Deja pagou o pato pela instabilidade do time de Nicola Negro, que se mostra também claramente com uma certa dificuldade de adaptação.

A dispensa de Deja McClendon e a contração de outra estrangeira

Com a decisão de romper o contrato de uma das estrangeiras, no caso, a segunda da lista, a americana, a diretoria do copeiro clube mineiro teve a ideia de dispensá-la. Além disso, trazer outra jogadora de outra nacionalidade. Chegou há alguns dias a búlgara Dobriana Rabadzhieva. Mas fica a pergunta. Afinal, ter pensado em contratações pontuais poderia ter evitado em uma cena de comoção e puro constrangimento?

Fica claro a falta de trato com o elenco e talvez, um erro no planejamento da equipe para a posterior temporada. Entretanto, Rabadzhieva também chega com o peso e a cobrança nos ombros. Decidir para sobreviver, ser protagonista, mudar, elevar tecnicamente o elenco. É vida ou morte! Para Deja, ficou aquele sentimento amargo, que podia mais. Por fim, uma generosidade e sensibilidade dos seus empregadores, numa simples frases. “Perdão”, “Muito Obrigado”!

Deja e Macris no jogo de despedida de Deja na Superliga Feminina

Deja e Macris no jogo de despedida de Deja na Superliga Feminina. Foto: Orlando Bento / MTC

Foto em destaque: Orlando Bento / Minas Tênis Clube / Divulgação

Artur de Figueiredo

Artur de Figueiredo

51 posts | 0 comments

Comments are closed.