Atlético Mineiro: o primeiro bicampeão da LNF

Atlético Mineiro: o primeiro bicampeão da LNF

1
114
0
terça-feira, 07 julho 2020
Além da 12

Logo nos primeiros anos da Liga Nacional o Atlético-MG conseguiu um feito inédito: o bicampeonato da competição. As finais foram disputadas em duas partidas, onde o Galo venceu o Banespa-SP em 1997 e o Miécimo-RJ em 1999. Por conta da grande história do time mineiro no futsal, esta coluna tem como intenção ressaltar o caminho do bicampeonato daquele time de craques. Além de suas causas e consequências.

Por Lucas Henrique, Campinas-SP

O GALO ANTES DA LIGA NACIONAL DE FUTSAL

Antes de 1996, o Atlético já tinha um certo protagonismo nas quadras brasileiras, principalmente nas décadas de 70 e 80. Até o ano de estreia da Liga, o Galo já havia conquistado 19 títulos. Dentre essas conquistas está a Copa Ouro, como torneio internacional (1980 e 1984). Como títulos nacionais, os torneios de Porto Alegre (1979) e o de Boa Vista (1982). Além disso, conquistou a importantíssima Taça Brasil de 1985. Por fim, já contava também com 14 títulos estaduais (pois possuía certa hegemonia em seu estado).

Posted by Atlético Pax de Minas – Futsal on Monday, October 7, 2019

CAMPEÃO DE 1997

A segunda edição da Liga Nacional teve 10 participantes e quatro fases. Na fase classificatória, o Atlético terminou em primeiro, com 46 pontos em 24 jogos, sendo 14 vitórias, quatro empates e seis derrotas. Com destaque para duas vitórias por 8 x 3 no 1º turno, goleadas sobre o Corinthians e o Carlos Barbosa. O Corinthians cruzou o caminho do Galo novamente nas Quartas de Final (com duas vitória dos mineiros).

Em seguida, curiosamente, nas semifinais o time que seria campeão naquele ano enfrentou novamente o Carlos Barbosa, aplicando mais uma goleada: 9 x 3 em pleno Rio Grande do Sul. Lembrando que o Carlos Barbosa no Returno da fase classificatória venceu exatamente por esse placar, tornando peculiar a rivalidade dos dois naquele ano. Na final o Atlético/ Pax de Minas enfrentou o Banespa/ Phercani, a primeira partida ocorreu em São Paulo e terminou em 3 x 3, a volta, em Minas, acabou 4 x 1.

O Banespa tinha como goleiro o consagrado Franklin, além de Simi, que fez o único gol do Banespa na finalíssima. Os gols do Atlético foram de Vander Carioca (duas vezes), Índio e Vinícius. Por fim, os artilheiros daquela edição foram Vander Carioca e Lenísio (Chevrolet), ambos com 36 gols. 

O ano seguinte não foi tão bom para os mineiros em termos de LNF, já que o Atlético caiu na segunda fase. Mas mesmo assim o ano foi histórico, pois o Atlético/Pax de Minas venceu o Intercontinental de Clubes. Após o título brasileiro do Internacional em 96, o Dina Moskva foi o vencedor de 1997. Ainda, o time russo voltou a estar na final em 1998, mas perdeu para o Atlético. A final do Intercontinental foi efetuada em três partidas, nas quais o Galo venceu duas.

O BICAMPEONATO DO GALO EM 1999

O Atlético Mineiro chegou com grande peso para a Liga Nacional em 99. Entre as mudanças do regulamento desta edição alterou-se número de equipes para 13 participantes. O Galo novamente se saiu bem na primeira fase, com apenas duas derrotas, cinco empates e 17 vitórias. Sendo a melhor vitória, um 14 x 6, no vice de 97, Banespa.

Em seguida, na segunda fase, enfrentou em sua chave (ida e volta): o Number One, o São Paulo/Osasco e o Vasco. Venceu três partidas, empatou duas e perdeu uma. Nas semifinais enfrentou o Chevrolet/GMC, vencendo ambos os jogos. Finalmente, na final pegou o Miécimo/RJ, vencendo a ida por 5 x 3, em solo carioca.

A FINALÍSSIMA DE 99

A partida de volta, que terminou 5 x 4 para o Galo, começou quente, com um tiro na trave de Tobias. Mas, numa rápida reação, o Miécimo abriu o placar com o implacável Vander Carioca, o artilheiro do Galo em 97. Até que numa ótima jogada de Lenísio (aquele que dividiu a artilharia como Vander Carioca), a bola sobra para Falcão, decisivo desde sempre, que empatou o placar. O craque também fez o gol da virada no segundo tempo, em jogada de Tobias.

Jovita empatou cinco minutos depois, de cabeça. Em sequência, o melhor do mundo daquele ano, Tobias, marcou seu gol de número 52  (ninguém fez melhor até hoje) naquele campeonato. Assim, se consagrando artilheiro da competição e colocando o time de Minas mais uma vez na frente. Manoel Tobias estava iluminado e armou a jogada para mais um de Falcão, o quarto do Galo. O quinto gol foi marcado pelo consagrado Índio.

Depois disso, Vander marcou mais um para diminuir a vantagem e acender uma chama de esperança para o time do Rio. Daniel teve quatro oportunidades em bola parada para mudar a história do jogo, entretanto errou as duas primeiras,  em seguida, fez o quarto gol do Miécimo e, na última tentativa, a bola raspou o travessão e foi para fora. Uma curiosidade sobre esta final: o público foi de 25.713, sendo recordista e até hoje o maior público que o Mineirinho já recebeu. O craque Falcão relatou ao portal da LNF sobre a partida:

“O Atlético-MG tinha um time fora da curva. Foi a única vez em que eu e Manoel Tobias jogamos juntos por clubes. Tinha também Lenísio, Rogério, Índio, Saad e Cacau… Era um dos melhores times da história. Para mim, aquele título foi muito especial, porque foi uma afirmação, o meu primeiro título de Liga Nacional, fazendo três gols na final”.

Além dele, Miltinho, o técnico daquele time estrelado e que infelizmente faleceu no ano passado, também disse:

 “Nós mandávamos os jogos no Colégio Magno, mas no meio do campeonato ficou pequeno: tinha mais gente pra fora do que dentro do ginásio. A torcida tinha com os atletas o mesmo que com o do futebol de campo. Existia a preocupação em conter um pouco a empolgação”. 

Foto Destaque: Divulgação/Instagram/falcao12

Lucas Henrique Noronha

Lucas Henrique Noronha

Escolhi o jornalismo pelo enorme gosto por esportes e por sempre assistir programas esportivos em geral, além de um costume meu de criticar grandes problemas do nosso mundo atual. Eu estou no 1o sem[...]

4 posts | 0 comments

Comments are closed.