Agora é para valer! Liga das Nações Feminina chega ao momento decisivo

Agora é para valer! Liga das Nações Feminina chega ao momento decisivo

Like
261
0
domingo, 30 junho 2019
Liga das Nações

Por: Clinton Dias, de São Paulo, SP

Equilíbrio tomam conta nessa fase final, disputada em Nanquim, na China

Brasil, China, Estados Unidos, Itália, Polônia e Turquia estão em dois grupos divididos com três equipes cada, em que as duas melhores seleções avançam às semifinais, na busca do título desta segunda edição de torneio, entre os dias 3 e 7 de julho.

As chinesas que já estavam classificadas por serem as donas da casa até 2020, de acordo com a Federação Internacional de Voleibol (FIVB), foram as melhores na fase de classificação e estão no Grupo A, que tem a Itália, quarta colocada na primeira fase e a Turquia que ficou uma posição abaixo. No Grupo B, em que a seleção brasileira participa, tem as americanas que são as atuais campeãs e a Polônia que foi a última classificada à fase decisiva da competição.

Vale ressaltar que a Liga das Nações chega a sua segunda edição e novamente esta sendo disputada em Nanquim, na China. A Liga entrou no calendário do voleibol internacional no lugar do tradicional Grand Prix, que foi disputado de 1993 a 2017, com o Brasil sendo o maior vencedor com 12 títulos.

Os grupos

Grupo A:

China: As medalhistas olímpicas de 2016, líderes da fase de classificação, donas de casa e terceira colocada na última edição do torneio, entra como umas das favoritas na competição. A equipe fez uma campanha muito sólida durante as semanas disputadas. Em 15 jogos as chinesas perderam apenas 3, igual ao EUA, e cederam apenas 12 sets, o time que menos perdeu sets em toda a competição, até o momento.

Itália: As italianas vem forte nesta edição da Liga, já que ano passado não se classificou à fase final. Com a oposta Indre Sorokaite e a ponteira Elena Pietrini, ambas são destaques na seleção e estão entre as top 10 de maiores pontuadoras na competição, perderam apenas 4 partidas em 15 jogos e terminou a fase de classificação na quarta posição.

Turquia: As atuais vice campeãs da competição, as turcas mais uma vez estão no momento decisivo do torneio internacional. Com uma campanha quase idêntica ao do ano passado, a Turquia ficou na quinta posição neste ano, a mesma do ano passado, a diferença é que em 2018 a equipe fez 35 pontos e este ano terminou a primeira fase com 32.

Jogos:

03/jul China x Turquia – Nanquim, China, às 7:30

04/jul Itália x Turquia – Nanquim, China, às 7:30

05/jul China x Itália – Nanquim, China, às 7:30

Grupo B:

BRASIL: A seleção brasileira, como na temporada passada também chegou à fase decisiva. A equipe renovada de Zé Roberto, fez os mesmos 35 pontos do ano passado, entretanto a diferença fica por conta de perdas de sets, em que a seleção este ano cedeu apenas 16, menos que ano passado que foram 20. A ponteira, Gabi Guimarães vendida ao VankifBank, da Turquia, é a destaque do time e está na quarta posição como maiores pontuadoras.

EUA: A tradicional seleção americana, vem em busca do bicampeonato em sua segunda edição. Entretanto, diferente do ano passado, em que a equipe terminou a primeira fase na liderança, este ano terminou na segunda posição empatadas em números de pontos com a China. Apesar da segunda colocação, as americanas é uma das principais favoritas para levar o torneio, já que em um histórico recente a equipe vem obtendo resultados positivos em todas competições do vôlei.

Polônia: As polonesas mesmo sendo as últimas a se classificar com 26 pontos e na sexta posição, não deixam de ser uma seleção perigosa. A maior pontuadora da Liga, Malwina Smarzek é o principal nome do time e do torneio com seu poderio ofensivo e leva a Polônia pela primeira vez à fase final, mesmo a equipe sendo qualificada como desafiante contra as obrigatórias.

Jogos:

03/jul EUA x Polônia – Nanquim, China, às 3:00

04/jul BRASIL x Polônia – Nanquim, China, às 3:00

05/jul EUA x BRASIL – Nanquim, China, às 3:00

Imagem em destaque: FIVB/DIVULGAÇÃO

Clinton Dias

Clinton Dias

O esporte foi o princípio para eu escolher o jornalismo como profissão. Entretanto, quero trafegar todas as áreas jornalísticas, em busca do conhecimento e da verdade para repassar aos que precisa[...]

62 posts | 0 comments

Comments are closed.